Nesse nosso primeiro ano de mandato como vereador da cidade do Salvador, um dos questionamentos mais recorrentes que me fazem é: “Rapaz, com tantos problemas na cidade, você vai ficar defendendo bicho?”. Escuto isso quase que diariamente quando desço da tribuna da Câmara após os discursos, ou quando protocolo meus projetos em defesa dos animais.

Mas antes de enumerar os motivos que me inspiram a lutar pelos direitos dos animais, peço permissão aos leitores para fazer um desabafo. Se há algo que me incomoda e me irrita muito são essas observações, que não raro, são levianas e extremamente preconceituosas.  Este fato me inquieta mais do que uma agressão direta contra um ser humano, pois o homem possui a capacidade de se defender, de revidar, contra-atacar ou até mesmo se calar. Mas os animais, não! Eles sentem dor, frio, fome, são seres sencientes como nós. Eles só não sabem expressar este sofrimento e por isso precisam de uma voz para defendê-los.

Defender os animais não implica em colocar a causa deles acima das nossas. Ao contrário. Significa entender que fazemos parte de um todo e que quando cuidamos desta totalidade estamos cuidando de nós mesmos. Se os animais são seres que pertencem ao mesmo planeta que o nosso, então eles também são portadores de direitos e interesses que precisam ser respeitados e atendidos. Embora ainda não sejam sujeitos de direito, eles são tutelados pela Constituição Federal no seu artigo 225, inciso VII, que os colocam a salvo da crueldade. Vale lembrar, que em períodos de triste lembrança segmentos da própria espécie humana já foram considerados “coisa”.

Temos visto manifestações em diversos países que sinalizam que está nascendo uma nova consciência ambiental, embora tenhamos a impressão que estamos vivenciando o caos. Todo processo de mudança perpassa por este caminho até que se instale a consciência, legítima sucessora do conhecimento. Ativistas, artistas, políticos e a população em geral têm promovido uma retomada da história que, torcemos, consiga possibilitar a sobrevivência do planeta às futuras gerações.

Se na política existem legisladores engajados em defender os interesses das pessoas jurídicas, do transporte urbano, da segurança e do concreto, por que não ser um porta voz em defesa de seres que têm sentimentos, como está mais que comprovado pela ciência, mas que não sabem se expressar? Será que essas pessoas não percebem que o movimento está ganhando cada vez mais corpo? Será que não percebem que há centenas de milhares de indivíduos militando na causa protecionista e reivindicando soluções do poder público? Será que não percebem que as universidades dos países mais desenvolvidos estão divulgando estudos que dizem que os animais são seres fundamentais para a boa relação familiar? Será que ainda não viram que os departamentos da Justiça estão sempre contabilizando crescentes índices de casos de maus tratos aos animais?

E a imprensa? Ora, os melhores veículos de comunicação do mundo têm cadernos, blocos e editoriais voltados para os animais ou, no mínimo, aos seus defensores. Sem falar de inúmeras emissoras de televisão que atentas à causa falam dos animais todos os dias. Gente, até desfile de moda para animais já existe. Ou ninguém nunca ouviu falar no Pet Fashion Week SP?

Pois é, para o azar dos preconceituosos e para a sorte dos animais, a nossa causa está ficando cada vez mais forte. E não vai parar por aí! Doa a quem doer e custe o que custar, continuarei a defender e proteger os animais de toda ou qualquer ameaça ou maus-tratos. Em menos de um ano, possuímos mais de 300 projetos tramitando em defesa dos animais, 40 aprovados e sem sombra de dúvidas, iremos trabalhar incessantemente para potencializar ainda mais a causa animal. Podem me chamar de louco e mesmo um dia não sendo mais vereador, não desistirei da minha missão de vida. É esse conflito de pensamentos e indagações que me impulsiona a lutar cada vez mais pelo o que acredito. Quanto mais debocham da minha cara, mais me inspiro e me dedico pelos 4 patas. Fico extremamente motivado quando surgem novas pessoas sensíveis que aderem ao movimento. É um sinal de que nada é em vão e que estamos conseguindo um progresso em prol da saúde e do bem estar desses seres fenomenais que são os animais.

Saudações Ecológicas.

 

Vereador Marcell Moraes (PV)

 

Integrante das Comissões de Transporte de Planejamento Urbano e Meio Ambiente



Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player



banner adv