Um documento apreendido pela Polícia Federal na casa do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa levanta a suspeita de que ele intermediava o repasse de dinheiro de grandes empreiteiras para políticos. Costa foi preso na Operação Lava Jato e é apontado pela Polícia Federal como integrante de um esquema que movimentou de forma suspeita cerca de R$ 10 bilhões. Uma tabela apreendida, à qual a Folha teve acesso, é escrita à mão e está dividida em três colunas: "nome da empresa", "executivo" (com os nomes dos responsáveis de cada empresa) e "solução", em que aparece a descrição do andamento da negociação em questão. "[O documento traz] Diversas anotações que indicam possíveis pagamentos para 'candidatos', podendo indicar financiamento de campanha", escreve a Polícia Federal no relatório de análise do material apreendido.(Folha)


banner adv

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player