Foto: Antonio Queirós\CMS

A defesa das Matrizes do Forró como Patrimônio Imaterial da Humanidade foi o tema da audiência pública realizada na manhã desta terça-feira (9), no auditório do Centro de Cultura da Câmara de Salvador. O presidente da Comissão de Cultura do Legislativo Municipal, vereador Silvio Humberto (PSB), dirigiu o debate. A vereadora Aladilce Souza (PCdoB), integrante da comissão, também participou da reunião que discutiu, juntamente com representantes e ativistas do forró, políticas públicas que valorizem a cultura junina.
Para o vereador Silvio Humberto, a busca pelo reconhecimento da importância cultural do forró vai garantir não só a preservação da matriz cultural, mas a movimentação de geração de trabalho e renda. “O forró é algo que consegue movimentar os nove estados do Nordeste. Acho que tem mais volume que o Carnaval. O que estamos fazendo hoje é atender o clamor da classe, sobretudo a artística que vivencia diariamente os desafios para manter viva a tradição do forró”, destacou o vereador Silvio. 
A vereadora Aladilce acredita que as movimentações, em níveis local e nacional, para preservar o gênero musical, podem “elevar o forró à categoria de patrimônio imaterial do povo brasileiro, pois reflete muito as ‘nossas’ raízes culturais”.  
“É preciso que a Câmara e as instituições que têm responsabilidade com a cultura façam esse processo de salvaguardar o forró e as suas matrizes, senão vamos acabar perdendo esse patrimônio tão grandioso”, alertou Aladilce, que comentou sobre outros gêneros musicais que “têm tomado o espaço do forró”.


banner adv

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player