Gestão da Assufba e comissão eleitoral impugnam chapa da oposição durante assembleia tumultuada

O processo de disputa pela direção do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Educação das Universidades Públicas Federais no Estado da Bahia (Assufba) segue acirrado nas universidades. O grupo de oposição à atual gestão luta agora para reverter a impugnação que sofreu de forma sumária, como consideram os membros que encabeçam a ‘Chapa 2 – Mudar para Avançar’. A impugnação aconteceu na última quinta-feira (30), durante assembleia tumultuada. Os oposicionistas não reconhecem a validade desta assembleia e procura na justiça garantir o direito de disputar a eleição marcada para os dias 12 e 13 de fevereiro.

A oposição acusa a Comissão Eleitoral de tratamento desigual entre as chapas, cerceamento do direito à complementação da chapa, violação do contraditório e da ampla defesa. “A gestão do sindicato avaliou que perderia a eleição e decidiu, em conjunto com a Comissão, passar por cima de todas as normativas internas e do próprio Direito Eleitoral para disputar sozinha. O golpe é tão flagrante que a comissão eleitoral vota e pede voto para o seu próprio parecer!”, denuncia Amanda Almeida, candidata à coordenação-geral pela ‘Chapa 2’. Ainda conforme os membros oposicionistas, a assembleia foi realizada em meio a protestos e gritos de golpistas, impedimento do acesso de servidores filiados ao local de votação.

Fotos: Divulgação

Os membros da ‘Chapa 2’ também apontam que a assembleia foi realizada com pedidos de contagem de votos e com a presença de seguranças à paisana. Eles descrevem que a coordenação do Sindicato, que concorre à reeleição, foi quem dirigiu a assembleia e declarou vencedora a proposta a favor do parecer elaborado pela Comissão Eleitoral pela impugnação da ‘Chapa 2’. “Já tínhamos questionado a validade da assembleia em pedido protocolado no dia 28 de janeiro, alegando que este não era o espaço legal para decidir sobre impugnação tendo em vista o que dispõe o Regimento Eleitoral e o próprio Estatuto do sindicato”, frisa Almeida.

Em vídeo divulgado por membros da oposição, o candidato à reeleição da Assufba, Renato Jorge Pinto (homem que fala ao microfone), conduz a votação que define sobre a permanência da ‘Chapa 2’. Do seu lado esquerdo está Marivaldo dos Reis (homem de camisa polo branca), presidente da Comissão Eleitoral. A partir do minuto 3:20, a votação é iniciada e Renato conclama que os “favoráveis ao parecer da Comissão Eleitoral” levantem seus cartões. “Em seguida, Renato anuncia que os servidores ‘que votam contra o Estatuto’ devem levantar seus cartões. Toda a votação ocorre em meio a grande tumulto onde não é possível aferir por contraste visual qual proposta teve mais apoiadores”, completa Amanda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *