Levantando uma lebre: Quem incentiva também é responsável

Jair Araújo escritor

O custo social decorrente dos acidentes de trânsito, casos de violência e doenças provocadas pelo consumo de álcool é elevadíssimo. “Considerando apenas as áreas urbanas, os acidentes de trânsito no Brasil acarretaram à sociedade um ônus de 5,3 bilhões de reais em 2001, e mais 24,6 bilhões são somados a essa cifra se consideradas as rodovias federais e estaduais.” – revela o estudo “Problemas Específicos: Álcool e Trânsito”, de autoria dos doutores Júlio de Carvalho Ponce, Vilma Leyton e Gabriel Andreuccetti.
Porém, o que causa mais espanto e indignação é a seguinte contradição: Os poderes públicos investem em programas e campanhas de educação de trânsito e conscientização contra a associação do consumo de álcool e direção; promulgam leis e ações para coibir a utilização de bebidas alcoólicas por motoristas, ao mesmo tempo em que vendem o espaço público para a publicidade de empresas fabricantes de bebidas alcoólicas, em todo e qualquer festejo popular, notadamente para patrocinar o Carnaval. Um fato grave que contraria todo e qualquer juízo razoável.
Os próprios gestores públicos, corrompidos pelo poder econômico e interesses políticos-eleitoreiros, assumem o papel de copatrocinadores ou corresponsáveis pelas tragédias ocorridas no trânsito em decorrência do uso de bebida alcoólica. Tais acidentes acabam por vitimar milhares de inocentes, e também aqueles que, seduzidos pelos apelos publicitários e acreditando na impunidade da justiça, insistem irresponsavelmente em dirigir embriagados desafiando a lei e o bom senso.
Fica evidenciado que os gestores públicos trafegam na contramão dos princípios que regem os valores da ética e da moralidade, no instante em que se permitem serem subornados pelos interesses econômicos das grandes empresas. Estas, de tão poderosas, chegam ao desplante de impor o fechamento do mercado para marcas concorrentes durante os eventos que patrocinam. Trata-se de uma prática ilegal que nega ao consumidor o livre direito de escolha; fato de menor importância nesse contexto, mas igualmente inadmissível. Além de estimular o não cumprimento do Código Nacional de Trânsito – CNT, os governantes e empresários também espancam de morte o Código de Defesa do Consumidor.
As agências de propaganda, por sua vez, expõem a beleza feminina como mercadoria sexual e utilizam o poder de influência (diga-se de “má” influência) de artistas inescrupulosos e “atletas” da mídia gananciosa, para seduzirem, principalmente os jovens. Segundo levantamento efetuado pela ONU, os acidentes de trânsito representam a principal causa de morte entre os jovens. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Avante Brasil, em 2013, revelou que 28% das vítimas fatais dos acidentes de trânsito ocorridos no país, são jovens de 18 a 25 anos de idade.
Concomitantemente a tudo isso, como medida paliativa e oportunista, o poder público aciona os órgãos responsáveis pela fiscalização e controle do trânsito, para punir os que, em estado de embriaguez, arriscam-se no volante. Motoristas irresponsáveis que dirigem como verdadeiros camicases, assumindo a condição de suicidas em potencial, além de colocarem em risco a vida de inocentes. Nesta prática absolutamente contraditória, diria mesmo perversa, as administrações, principalmente as municipais, se locupletam, enchendo as burras do erário com a aplicação das multas.
Em última hipótese, o que as diversas gestões públicas arrecadam com as multas, servem apenas para atender as demandas imediatistas e interesseiras dos efêmeros mandatos. Porque os políticos pouco se importam com o destino do povo, visam tão somente os seus projetos políticos. Nem as multas, nem o dinheiro dos patrocínios, nem o dito aquecimento da economia, auferido com tais eventos, cobrem os gastos do governo com a assistência às vítimas de acidentes de trânsito causados pela embriaguez.
A sociedade sempre sai perdendo e, a cada dia, aumentam as estatísticas sobre indivíduos mutilados, incapacitados e ou psicologicamente sequelados que ficam entregues à própria sorte e à margem do mercado de trabalho. Portanto, a conta nunca fecha.
São homens insensíveis estes representantes escolhidos pelo povo que hipocritamente consomem o dinheiro público em campanhas de educação e, ao mesmo tempo, incentivam o consumo do álcool. Ato seguinte, eles posam nos holofotes da mídia com o propósito de lamuriar-se e vomitar críticas contra o próprio povo, pelo não cumprimento da lei, enquanto se isentam de toda e qualquer culpa e responsabilidade.
Nunca se deve aceitar a justificativa de que “bebe e dirige embriagado quem quer”. Menos ainda, admitir que o poder público continue livre e impune, atuando neste processo de incoerência e contradição, que atenta contra a ordem e a saúde pública.
O Ministério Público deveria se debruçar sobre esta questão no sentido de impedir que empresas fabricantes de bebidas alcoólicas possam patrocinar eventos organizados sob a responsabilidade do poder público. Fato que atenta contra o CNT e a saúde pública. Seria muito interessante se agissem de maneira idêntica ao que foi feito em relação às indústrias de cigarro.
Associar bebida e direção é um péssimo hábito cultural que o poder público nunca deveria incentivar!

    Jair Araújo – escritor
Membro Correspondente da ALACIB – Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil, Mariana/MG.
Membro efetivo da SBPA – Sociedade Brasileira de Poetas Aldravianistas. 

One thought on “Levantando uma lebre: Quem incentiva também é responsável

  • Fevereiro 6, 2020 at 11:14 am
    Permalink

    Como sempre Jair, toca as nossas consciências, e nos faz abrir ainda mais o olhos para esta questão tão grave que é o trânsito brasileiro.Nossa vida e de nossos familiares, amigos e nossa comunidade, correm risco ao sair nas ruas ou viajar de carro pelas BRs Estaduais e Federais.Complementado a bela coluna deste Escritor brilhante, eu como Educador de Trânsito que atuei a 13 anos para a CLN e para a Fieb/Sesi em todo nosso Litoral Norte da Bahia, só acrescentaria mais um dado escabroso, os motoristas abastecendo suas “geladeiras e Isopores” nos postos de combustíveis, ou seja, enquanto se colocar álcool no tanque do veículo, se abastece também a cuca do condutor! Isso é um absurdo! Salve-se quem puder!
    Parabéns!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *