Reflexionando

O Papa está a defender a unificação dos países da América Latina, transformando-os no que seria denominado de a Pátria Grande, sugerindo o Panamá como a sua capital. Não esqueçamos que Francisco Bergoglio foi guindado ao papado através de um golpe de estado urdido pelo grupo de Cardeais que compõem a conhecida, “casta progressista” do Vaticano.
Talvez, tenham escolhido esse Cardeal argentino, dentre outros motivos, para revigorar a ideia da criação da União das Repúblicas Socialistas Bolivarianas. Plano idealizado e disseminado em décadas passadas na clandestinidade das reuniões ocorridas nos Comitês das antigas e ultrapassadas militâncias político-partidárias de tendência socialista.
Numa clara demonstração do processo de esquerdização da corte papal, em 2016, o advogado argentino Juan Grabois, fundador do “Movimento dos Trabalhadores Excluídos e da Confederação da Economia Popular” e filho do dirigente peronista conhecido como “Pajarito”, foi nomeado consultor do Pontífice. Além disso, em 2018, o jovem “progressista” subiu mais um degrau na hierarquia do Vaticano, ao ser nomeado consultor do Pontifício Conselho Justiça e Paz do Vaticano.
Recentemente, fato que chamou a atenção e causou indignação e revolta entre cristãos católicos e, principalmente, evangélicos, foi o de a secular e maior instituição religiosa do mundo não ter se manifestado pública e oficialmente em relação ao filme “A Primeira Tentação de Cristo”, produzido pela Porta dos Fundos e exibido na Netflix. Nenhum posicionamento foi tomado pelo Vaticano.
Entretanto, o mesmo não aconteceu em relação às queimadas ocorridas na Floresta Amazônica em territórios brasileiro e Boliviano. Durante a realização do Sínodo da Amazônia, as críticas sobraram para o governo brasileiro, ao tempo em que foram poupadas em direção ao bolivaniarista Evo Morales. Na mesma assembleia, a pretexto de defender a evangelização dos povos amazônicos, o Pontífice trouxe à baila as ideias da Teologia da Libertação.
Francisco continua sendo, quando não silencioso, delicado e parcimonioso em relação às agressões atiçadas contra os dogmas cristãos e aos regimes totalitários de esquerda, implantados, em diversos países, notadamente nos de origem latina.
Diante do silêncio do Vaticano, as comunidades de católicos e cristãos, se reuniram na Piazza Del Apostoli, em Roma, para, em estado de luto, realizar “O Christianday”. Um ato em defesa da identidade cristã. A manifestação teve como principal mote, protestar contra o desrespeitoso, provocativo e blasfêmico roteiro do filme produzido pela porta dos fundos e, também, contra o samba enredo que a Estação Primeira de Mangueira apresentará como tema no desfile do Carnaval do Rio, neste ano.
Entre tantos outros fatos, estes episódios deixam transparecer que a CNBB e o Vaticano estão comprometidos com a ideologia marxista e filosofia Gramscista; e que o Papa Francisco está mais para um líder político de tendência socialista-marxista e Pastor de Lobos, do que para Apóstolo do Cristo.
O Vaticano, na prática, é uma poderosa organização capitalista com um discurso de reinvindicação igualitária desde que isso não afete o seu riquíssimo patrimônio. Portanto, não é diferente das nações administradas por ditadores, sejam eles de extrema esquerda ou extrema direita, que acumulam riqueza pessoal, discursam humanidade e distribuem migalhas.
Em relação ao Francisco, resta a impressão de que as omissões e os posicionamentos assumidos por Jorge Mario Bergoglio, durante a ditadura Argentina, quando era líder dos jesuítas, martiriza o “Santo Padre”. O passado o faz caminhar como um penitente a carregar uma pesada cruz de culpas. Como ato compensatório, para alcançar a sua remissão, ele tem cometido alguns excessos, correndo o risco de que novamente possa estar a incorrer em outros graves erros.
Em “Suma Judice”, o Sumo Pontifície continua pondo em dúvida a sua imparcialidade e o foco do que lhe cabe como principal missionário da Igreja Católica Apostólica Romana, que é a de “elaborar, comunicar e propagar os ensinamentos de Cristo, assim como a de cuidar da unidade dos fiéis, com o objetivo de ajudar a humanidade a percorrer o caminho espiritual a Deus”.

Jair Araújo – escritor
Membro Correspondente da ALACIB – Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil, Mariana/MG.
Membro efetivo da SBPA – Sociedade Brasileira de Poetas Aldravianistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *