Brasil, País que não valoriza a experiência do aposentado

Alderico Sena

Brasil, é um País que não reconhece e nem valoriza a experiência do aposentado, enquanto em alguns Países os Mestres Aposentados são respeitados e valorizados.  Tudo no campo pessoal, profissional e político para alcançar vitórias é uma questão de metas e projetos. Estudo para a inclusão social do aposentado se faz necessário, visto o alto nível de conhecimento e experiência em áreas que  instituições públicas têm carência, devido a não realização de concursos e o elevado pedido de aposentadorias de servidores públicos, onde o aposentado poderia cooperar com instituições para oferecer uma melhor qualidade na prestação de serviço à sociedade. Exemplo claro é a Previdência Social que vem prestando um desserviço a quase 2 milhões de segurados que estão com pedidos de benefícios paralisados há mais de 1 (um) ano. Policiais militares da reserva poderiam também cooperar prestando serviços nos estabelecimentos de ensino público e assim oferecer uma maior segurança e tranquilidade às famílias, basta vontade política do governo e do legislativo para criarem os meios legais.

A Bahia e o Brasil vem tendo grandes perdas no campo da educação, saúde, comunicação, cultura, pesquisa, jurídica, empresarial, política, dentre outras áreas como recentemente perdemos “Dona Canô, Jaime Sodré, Mestre Didi, Jorge Portugal, João Gilberto, Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, Morais Moreira, Jorge Amado, Edvaldo Boaventura, Iracy Picanço,  Zilton Andrade, Armênio Costa Guimarães, Elsimar Coutinho, Deputado Paulo Jackson, ACM, Waldir Pires, Norberto Odebrecht, Jorge Calmon, Joaquim Calmon de Passos, Mãe Menininha do Gantois e Mãe Stella de Oxóssi, dentre outras referências, e o pior, sem renovação, devido à escassez de líderes e a péssima qualidade da educação no País.

O mais grave, é que o Governo Federal e o Congresso Nacional, desejam  reduzir recursos do FUNDEB  para bancar o auxílio emergencial, renda brasil, enquanto com uma simples medida política e ética, poderiam extinguir os custos das mordomias, privilégios e as extravagâncias com o dinheiro público nos poderes executivo, judiciário e legislativo em nível também de municípios e estados para investir na educação  e não tirar recursos do FUNDEB. O mestre Darcy Ribeiro, estava certíssimo quando escreveu: “A crise da educação no brasil não é uma crise; é um projeto”. Anísio Teixeira, escreveu: “Só existirá democracia no brasil no dia em que se montar no país a máquina que prepara às democracias. Essa máquina é da escola pública” e Paulo Freire: “Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo’’. Aos senhores Presidente da República, Câmara Federal e Senado para posicionamento, amparado na Lei 12.527/2011 – Lei de acesso à informação para conhecimento da sociedade.

A sociedade contemporânea é marcada pelos valores individualistas, de forma que se faz necessário um movimento para resgatar a qualidade dos vínculos entre as gerações mais novas e as mais velhas. Não é verdadeiro afirmar que apenas uma geração dá algo de si enquanto a outra, passivamente, torna-se receptora inerte destas dádivas. A troca de conhecimento e aprendizado é um ensinamento fantástico para ambas as gerações, devido aos avanços tecnológicos e um mercado globalizado será um excelente projeto e inovação.

Instituições públicas e privadas devem investir e incentivar o aposentado para repassar experiência profissional, visando extinguir preconceitos e despertar no jovem e comunidade a importância para a valorização do conhecimento e da experiência, visto que todos serão aposentados amanhã e mostrar que os exclui é como rejeitar o passado e o futuro de todos. Pais e escolas terão um papel fundamental para desbloquear paradigmas culturais, além de colaborar com o desenvolvimento de cidadania em sentido amplo. A falta de convívio entre estas gerações priva o jovem de entrar em contato com a sabedoria dos mais velhos, através de uma aprendizagem dinâmica, bem como impede que os idosos conheçam novos hábitos e costumes por meio de uma troca interessante de experiências. Projeto desta natureza com o objetivo de melhor convivência, interação, cooperação, ajuda mútua e solidariedade entre jovem e o idoso será um MARCO de conhecimento no BRASIL, principalmente para as gerações que virão. Existe também o inquestionável direito de exercício da cidadania por aqueles que já alcançaram uma idade mais avançada e não justifica que sofram preconceitos e discriminações no mercado de trabalho e nos ambientes sociais.

A reflexão e o debate sobre as gerações são necessários, para se construírem relações mais igualitárias e cooperativas, vislumbrando, assim, a criação de espaços de integração para as diferentes gerações. Afinal, os idosos merecem dignidade humana e é dever do Estado desenvolver políticas públicas para assegurar a inclusão social, requisito essencial para a efetivação dos princípios fundamentais contidos na Constituição Federal Artigo 230. Precisamos criar as condições e investir na educação, formação, capacitação, treinamento e conhecimento profissional do jovem com IDEIAS e PROJETOS, só assim poderemos melhorar a qualidade dos profissionais do futuro e assim dar os NOVOS RUMOS que o BRASIL tanto necessita. O aposentado tem também o direito de escolher de continuar laborando com o País, repassando princípios e valores, educacionais, éticos, morais, culturais, e profissional para a NOSSA JUVENTUDE!

SENHOR PRESIDENTE JAIR BOLSONARO, DEPUTADOS FEDERAIS, SENADORES E MINISTROS DO STF, A PROPOSTA ESTÁ FORMULADA E A DECISÃO É POLÍTICA! VAMOS JUNTOS SALVAR O BRASIL? QUERER É PODER!

Alderico Sena – Especialista em Gestão de Pessoas, Ex- Assessor do IAT- Instituto Anísio Teixeira e Ex-Vice Presidente Nacional do MAPI- Movimento dos Aposentados do PDT – www.aldericosena.com  – Consulte e leia bons artigos – Lei-tura futuro da Nação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *