Prefeitos pedem intervenção do Planalto para conter crise no sistema de transporte público brasileiro

Deputado baiano alerta para a importância da discussão do tema para se evitar aumento das tarifas do transporte público que geralmente ocorre no início do ano
Prefeitos de diversas cidades do país pediram a intervenção do Planalto na desoneração do diesel com o objetivo de se conter um aumento da tarifa do transporte público no próximo ano. O pleito foi feito em reunião realizada com o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, em Brasília, mas tem sido tratado em diversas reuniões entre a Frente Nacional de Prefeitos e o Governo Federal. “Por meio do diálogo entre os Poderes vamos buscar soluções que atendam às necessidades dos brasileiros”, afirmou Ciro Nogueira.

O deputado federal Alex Santana (PDT), também presente na reunião, destacou a importância da discussão do tema uma vez que comumente no início do ano acontece reajuste na tarifa do transporte público.  De acordo com dados da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), o déficit no setor de transporte coletivo ultrapassa os R$ 12 bilhões somente no período da pandemia. “O sistema de custeio do transporte público depende quase que exclusivamente da arrecadação de tarifas pagas pelos usuários. O aumento do preço do diesel e a queda na circulação de passageiros, com certeza, irá contribuir para o acirramento de uma crise do setor. Mas o cidadão também não pode ser prejudicado ainda mais, por isso a importância de se debater sobre as medidas a serem tomadas”, afirmou o parlamentar baiano.

A FNP já havia proposto ao governo federal um repasse emergencial de R$ 5 bilhões este ano para subsidiar as gratuidades asseguradas aos idosos com mais de 65 anos. “O receio é que o sistema entre em colapso a qualquer momento, nenhuma quantia será suficiente para resolver o problema. Mas temos uma grande esperança de dialogar e trabalhar em conjunto com o governo federal”, afirmou Edvaldo Nogueira, prefeito de Aracaju/SE e presidente da FNP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *