Câncer de Mama: políticas públicas em discussão na Bahia

Mastologistas de todo o país discutem medidas que possam promover melhorias no acesso à prevenção e tratamento da doença, além de apresentar novo remédio aprovado pela Anvisa que representa esperança para as pacientes metastáticas

A capital Baiana, conhecida pela riqueza da sua gastronomia e do turismo, abre espaço para sediar uma discussão de extrema importância para as mulheres brasileiras: medidas efetivas que possam potencializar a estrutura já existente para melhorar o acesso das mulheres à prevenção do câncer de mama e, principalmente, ao tratamento para quem já recebeu o diagnóstico. O intuito é, após esses dois anos, também fazer um balanço dos impactos da pandemia junto à população que teve consultas e atendimentos adiados por conta do distanciamento social.

De acordo com o Dr. Carlos Ruiz, responsável pelo departamento de Ações Sociais e Defesa da Mulher da Sociedade Brasileira de Mastologia, será o primeiro evento presencial depois desses anos pandêmicos e a expectativa é de muita troca de informações para entender o atual cenário e vislumbrar os possíveis caminhos que precisam ser trilhados. “Mesmo durante esses anos difíceis, conseguimos alguns avanços que podem servir de exemplo para nesta retomada melhorarmos os índices de atendimento, sobretudo, potencializando o ecossistema do câncer de mama no país e, consequentemente, a sobrevida das pacientes”, afirma o médico, acrescentando que essa conversa sobre políticas públicas é para entender que tipo de estratégia é preciso para trazer a paciente para perto, pois algumas não estão aproveitando a estrutura existente.

Para a Dra. Rosemar Macedo, secretária geral da SBM, a discussão deve ir além do debate e, de forma prática, fazer a diferença estudando como ampliar medidas que já são experimentadas em algumas regiões. Dentre elas, ela cita o Guia de Boas Práticas em Navegação que acaba de ser lançado para pacientes que enfrentam a doença. A iniciativa de várias entidades, com apoio da SBM, tem como objetivo orientar, auxiliar e detalhar os passos que as pacientes diagnosticadas com câncer de mama devem seguir em cada etapa, promovendo, assim, uma jornada menos difícil em um sistema complexo. “Esse é um excelente exemplo de que é possível na prática implementarmos procedimentos que podem agilizar e apoiar as mulheres que enfrentam a rotina do tratamento do câncer de mama”, destaca a mastologista.

Já o Dr. José Pedrini, Diretor da SBM, comemora o mais recente medicamento aprovado pela Anvisa e que representa uma esperança de melhor sobrevida da paciente: o Trastuzumabe-Deruxtecan. Segundo ele, que foi um dos coordenadores do estudo, trata-se de uma nova terapia biológica para o tratamento do câncer de mama metastático HER2 positivo. “A nova droga se apresenta, simplesmente, como uma revolução mundial no combate a esse tipo de câncer altamente agressivo. Seus resultados foram surpreendentes e animadores, significando uma luz no fim do túnel dessas pacientes”, confirma.

Esses e outros temas estarão sendo abordados durante o 24º Congresso Brasileiro de Mastologia que acontece nesta semana, entre 20 e 23 de abril, no Centro de Convenções de Salvador. O Dr. Augusto Tufi, que estará à frente do evento, ressalta que o encontro será marcado pelo retorno das atividades presenciais e também pelo debate de políticas públicas, além do conteúdo científico. “Trabalhamos sempre pelo crescimento e fortalecimento da mastologia nacional. Passamos por momentos difíceis com o distanciamento social, mas nos reinventamos e, atuando de forma online não paramos em nenhum momento. Agora, juntos novamente, apresentaremos e discutiremos novos estudos, inclusive com palestrantes internacionais”, conclui.

Foto: Divulgação 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.