Em campanha à reeleição, Ireuda Silva relembra conquistas marcantes do primeiro mandato

A vereadora Ireuda Silva (Republicanos) está em campanha à reeleição para a Câmara Municipal de Salvador, ao lado do povo nas mais diversas comunidades, como sempre esteve nos últimos quatro anos e também ao longo de praticamente toda a sua vida dedicada ao trabalho social. Presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, vice-presidente da Comissão de Reparação e presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Saúde, a republicana falou neste fim de semana sobre as conquistas mais relevantes do seu primeiro mandato, que tem sido marcado por uma defesa intransigente das mulheres, pelo combate ao racismo e por um olhar cuidadoso sobre as questões sociais que caracterizam a capital baiana.

O último fim de semana foi marcado por várias atividades, incluindo caminhada em Sussuarana e ação social em Canabrava, sempre tendo em vista as normas de segurança estabelecidas pelas autoridades sanitárias. Nessas ocasiões, Ireuda ressaltou a defesa das suas bandeiras.

Entre os projetos importantes da republicana criados ao longo do mandato está a proposta de implementar a Guardiã Maria da Penha na Guarda Municipal e nas escolas e a campanha carnavalesca “Meu corpo não é sua fantasia”, que visa alertar e informar sobre a importância do combate ao assédio sexual e à violência contra a mulher.

Outro projeto é o recém criado SIMM Mulher, que tem o objetivo de intermediar a mão de obra feminina e capacitá-la para o mercado de trabalho. O serviço será ferramenta importante para o empoderamento, ajudando a reduzir as desigualdades e, consequentemente, os casos de violência.

Dados divulgados em agosto mostram que a violência doméstica aumentou 44,9% nos últimos meses de pandemia. Em relação aos feminicídios, a pesquisa também mostrou correlação entre o número de vítimas e o grau de escolaridade. 70,7% das vítimas cursaram até o ensino fundamental e 7,3% têm ensino superior. “Muitas das vítimas temem abandonar o companheiro agressor por existir uma dependência material. Por isso, a violência patrimonial não pode ser ignorada”, diz Ireuda.

A republicana também conquistou o encaminhamento dos moradores da invasão Paz e Vida para moradias do Minha Casa, Minha Vida. A comunidade foi fundada em 2013, com os moradores vivendo em situação desumana, em barracos de madeira, sem saneamento, e já protagonizou cenas de violência, com a morte de duas crianças vítimas de bala perdida. “Fui eleita para legislar por toda a cidade. Desde o início do meu mandato, venho desenvolvendo um trabalho focado na melhoria da vida da população menos favorecida”, disse Ireuda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *