Governo do Estado quer ganhar dinheiro através da exploração dos animais, acusa Marcelle

A protetora de animais e vereadora licenciada, Marcelle Moraes repudia o valor limite de R$ 60 no ingresso para acessar o Parque Zoobotânico de Salvador. A tarifa ‘teto’ foi estabelecida pelo Governo do Estado após a concessão do espaço para uma instituição privada.
Marcelle destaca que o zoológico deveria ser um santuário ao invés de enclausurar vidas. “O Governo do Estado quer ganhar dinheiro através da exploração dos animais. A preservação das espécies e ações para solturas dentro daquele perímetro tinham que ser a prioridade para o zoológico, animal não é um ‘artigo’ ou ‘objeto’ para ser exposto para entretenimento humano. Um completo desrespeito com vidas que importam e são sensíveis. Salvador não merece ter um retrocesso desse, que dirá, com um valor tão absurdo para os soteropolitanos. Acaba, de fato, virando um espaço de segregação e sofrimento”.  
A parlamentar licenciada lembra que fez um Projeto de Indicação nº 26/19 ao Estado, com medidas para transformar o Parque Zoobotânico de Salvador em um santuário para animais. De acordo com o texto, “retirar espécies ameaçadas de seu habitat natural sob o pretexto de protegê-las prejudica os animais que permanecem na natureza, pois a diversidade genética diminui, comprometendo ainda mais a espécie”.
A proposta ainda alerta sobre o estresse sofrido pelos animais criados nos zoológicos e as consequências negativas que comprometem a saúde física e mental dos bichos. “O trabalho dos santuários é importante pelo acolhimento de animais vítimas de maus-tratos em zoológicos e circos e que não conseguem sobreviver na natureza. Além de garantirem refúgios seguros para os bichos, protegê-los e dar-lhes a oportunidade de se comportarem naturalmente em um ambiente semelhante ao seu habitat”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.