Marcos Mendes afirma que a Reforma Administrativa de Bolsonaro é uma “afronta” aos funcionários públicos do país

Durante manifestação que ocorreu, na tarde desta quarta-feira (30), em repúdio  à Reforma Administrativa do Governo Bolsonaro, no Campo Grande, organizada por sindicatos e centrais sindicais, acompanhado pelo deputado estadual e candidato à prefeitura de Salvador, Hilton Coelho ( PSOL), o vereador da capital baiana e candidato à reeleição, Marcos Mendes ( PSOL), salientou que os funcionários públicos precisam ter estabilidade na carreira para que tenham independência e autonomia para fazerem ingerências políticas. O parlamentar pontuou que  a Reforma Administrativa não abarca os segmentos que tem os “supersalários” como o judiciário, o legislativo, e as forças armadas que representam quase 50% do orçamento do quadro de funcionários, além dos cargos comissionados que também não foram incluídos na   p roposta da Reforma.
” Os trabalhadores que tem os salários menores são justamente os mais afetados com essa Reforma Administrativa do governo Bolsonaro. É mais uma reforma que penaliza os trabalhadores mais humildes e libera os mais ricos, os mais poderosos, os que tem os supersalários. Inclusive, o ministro Paulo Guedes já deu uma declaração na imprensa de que pretende aumentar os salários desses cargos. Mas, na verdade, eles querem implementar uma lógica do sistema capitalista em que você coloca o opressor em condição de privilégio e, por outro lado, chicoteia os trabalhadores mais humildes. Essa Reforma Administrativa é uma afronta às trabalhadoras e trabalhadores do nosso país”, protesta o vereador Marcos Mendes ( PSOL), que também é servidor licenciado da Caixa Econômica Federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *