“Nossas conquistas não puseram fim às nossas necessidades”, diz Ireuda Silva no Dia Nacional da Mulher

Neste Dia Nacional da Mulher, a presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, vereadora Ireuda Silva (Republicanos), disse que, nesse momento histórico que o Brasil e o mundo atravessam, as mulheres mais do que nunca precisam de proteção. A republicana reitera que os avanços são reais e devem ser celebrados, mas ressalta que as necessidades ainda são muitas.

“Nossas conquistas não puseram fim às nossas necessidades. Embora tenhamos conquistado muitos direitos e ampliado o empoderamento, o machismo ainda nos agride, violenta e mata”, pontua. “Há dados que vêm mostrando isso desde o início do ano, como o crescimento vertiginoso do índice de violência doméstica e feminicídios”, aponta.

Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Brasil registrou 56.098 estupros de mulheres ao longo de 2021, 3,7% maior em relação ao ano anterior. Foi um caso a cada 10 minutos. As mulheres negras e mais pobres são sempre as mais afetadas. Paradoxalmente, o orçamento do governo federal para combater a violência contra a mulher é o menor em quatro anos.

“Precisamos ter uma Justiça mais rígida com os agressores, que, mesmo quando são denunciados, na maioria das vezes ficam soltos. É um risco à vida das vítimas, porque eles sempre acabam violando as medidas protetivas. O machismo animaliza os homens a tal ponto que determinações legais comuns nem sempre funcionam, pois, quando a situação chega a esse ponto, eles agem com irracionalidade, como animais”, alerta a vereadora.

“Portanto, neste Dia Nacional da Mulher, encaro nossas vitórias com alegria. As empreendedoras, por exemplo, já praticamente conseguiram se recuperar dos severos impactos da pandemia. Mas, mais do que nunca, precisamos de proteção, estímulo e garantias para que nada seja perdido”, acrescenta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.