Uma das 100 pessoas negras mais influentes do mundo, Kenia Maria será homenageada com o Prêmio Maria Felipa

Uma das 100 pessoas negras mais influentes do mundo, Kenia Maria será homenageada com o Prêmio Maria Felipa

O Prêmio Maria Felipa, uma das mais importantes honrarias concedidas a mulheres negras que se destacam na luta por direitos e contra o racismo, ocorre no próximo dia 25, a partir das 17h, na Casa do Comércio. Conduzido pela vereadora licenciada Ireuda Silva (Republicanos), o evento, que volta a ser presencial após dois anos de pandemia, marca o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha e o Dia Nacional da Mulher Negra. Entre as premiadas, está Kenia Maria, atriz, escritora e defensora dos direitos das mulheres negras na ONU.
Kenia está entre as 100 pessoas negras mais influentes do mundo. Com mais de 20 anos de ativismo, integrou blocos afro e trabalhou com meninas vítimas de violência.
Neste ano, serão as seguintes premiadas: Madá Negrif, empresária; Salcy Lima, jornalista e apresentadora da Record TV; Patrícia de Carvalho, advogada; Laina Pretas por Salvador, vereadora; Kenia Maria, defensora dos direitos das mulheres negras – ONU; Carla Verena, empresária; Naiara Oliveira, jornalista; GCM Cleu, da Guarda Municipal do RJ; Magaly de Souza Menez, procuradora-geral de Porto Seguro; Dinsjani Pereira, coordenadora de Infância e Juventude de Salvador; Antônia Faleiros, juíza criminal; Cynthia Martins, âncora da TV Band Brasil; Ana Trindade, jornalista; Denise Melo, empresária e trancista; Paula Sanffer, cantora; Livia Calmon, jornalista; capitã Elma Pimentel, coordenadora do Centro de Valorização da Mulher; Yldene Martins, advogada;  Vânia Dias, apresentadora de TV; Karine dos Santos, empreendedora; Ana Patricia, advogada.

“A Bahia e o Brasil ainda sofrem com a discriminação racial, que segrega e mutila direitos fundamentais. Nesse contexto tão cruel e que ainda guarda resquícios da escravidão, as mulheres negras são duplamente vitimadas, já que o preconceito tem natureza racial e de gênero”, diz Ireuda Silva. “Desse modo, penso que este dia e este prêmio são o mínimo que podemos fazer para reafirmar o nosso posicionamento, mostrar que nós, mulheres negras, estamos aqui, que somos peças fundamentais da história do Brasil e da Bahia. E que lutamos constantemente para melhorar a realidade de todas nós”, completa a republicana.
Quem foi Maria Felipa?
Maria Felipa de Oliveira foi uma marisqueira e pescadora que viveu na Ilha de Itaparica. Assim como Joana Angélica e Maria Quitéria, ela lutou pela Independência da Bahia. Em 1823, liderou um grupo composto por mais de 200 pessoas, entre as quais estavam índios tupinambás e tapuias, além de outras mulheres negras, nas batalhas contra as tropas portuguesas que atacavam a Ilha. Conta-se que o grupo foi responsável pela queima de pelo menos 40 embarcações portuguesas.

Foto: Divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.