Carta ao coração

Para meu irmão, Zé Araújo

Não partilho dos teus sonhos
Porém sonhos não precisas ter
Pois, ainda és menino
E menino deves continuar a ser…

Lembro-te, menino, com teus brinquedos quebrados ou mesmo remendados, sem querer me emprestar. Assim como eu, preferias os velhos brinquedos a render-se às seduções das barganhas e das chantagens, muitas vezes lucrativas, feitas por mim ou por teus amigos.
Dos olhos compridos dos pequenos invejosos ou da acintosa impulsividade dos mais ousados, defendia teus poucos, mas valiosos cacarecos, com a coragem dos guerreiros romanos.
– É que criança nunca cumpre o décimo mandamento!
– Quantas figurinhas, às vezes até carimbadas, ou bolas de gude, ou carretéis de linha, fio “Vinte e quatro” ou “Trinta coração” ou mesmo arraias se viram rejeitadas?
Com mais carinho e suavidade brincávamos com os nossos carrinhos já deformados de tantos consertos, à base de goma arábica ou esparadrapos, tentando preservá-los da quebra irrecuperável.
Lembro-me dos nossos cachelos1, feitos com tanto esmero que, por vezes, superavam em seus movimentos as mais belas arraias. Nessas oportunidades, aproveitávamos para tirar sarros tão irritantes que, frequentemente, geravam xingamentos, desavenças, pedradas e carreirões.
Lembro-te franzino, porém com muita resistência às enfermidades. Lembro-me das tuas birras e do teu ímpeto para decidir vitórias a teu favor. Querias ganhar no peito e na marra, quando senão, tentavas mudar as regras do jogo. Às vezes ficava meio perplexo diante da tua ousadia. Chegava a pensar que investias demasiado em tua franzinês. Tão magro, tão leve que não valia a pena desafiá-lo. Quem assim procedesse correria o risco de sair como covarde ou aproveitador.
Nas pedaladas, eras razoavelmente bom, eras muito melhor nas pegadas. O tempero de cola e vidro moído que passavas nas linhas dos cachelos, às vezes, saía caroçudo, mas, mesmo assim, davas a sorte de cortar uma ou outra arraia. Quando sentias que o adversário era melhor, partias para o gongolo2, provocando a ira dos moleques que quase sempre viam os seus pão-de-leite4 e meias-saias4 caírem no mocó3. Pronto! Nem um nem outro. Dois vencedores, nunca dois perdedores.
Lembro-te menino, lembro-te moleque. Lembro-te também, ansioso em querer ser gente grande para dar forma aos desejos. Simplórios desejos, muitos deles frustrados pela falta de dinheiro para comprar aquela bola de couro ou a bicicleta dos nossos sonhos. Desejos abafados pela dificuldade financeira, pelo excesso de proteção paternal, ou até pelo rigor da educação daqueles dias.
Mas não deixávamos de ser felizes. Se não tínhamos a bicicleta, alugávamos. Se faltava dinheiro para a bola de couro, deste a sorte de ganhar uma – não sei como! , numa tampinha do guaraná Fratelli Vita. Daquela bola quase nada restou, carcomida que foi no cascalho da via pública.
Lembro-te assim: meio astuto, meio medroso, mas sempre determinado. Não me lembro dos teus sonhos. Dos teus planos. Deles não partilhei. Talvez não fossem importantes, ou quem sabe, sequer os tiveste, por falta de tempo, mediante o agito das molequices. Naqueles tempos o que importava era o presente, nele vivíamos plenamente os nossos dias e deixávamos a vida nos conduzir livremente a um destino que não nos importava. Vivíamos assim, como hoje ainda vives o presente!…? O presente era tudo que tínhamos, é tudo que temos, na verdade, tudo o que precisamos ter.
O presente é passado, é futuro. O presente é você, menino e gente grande, como não imaginarias crescer e ser.
Ainda te vejo menino, tal qual menino pretendes ser. Nas lidas de amor, sem regras e com jogo, com vivacidade, alegria e umas pitadas de irreverência e inconsequência.
Vejo que ainda cultivas o desejo mágico de recompor os teus brinquedos, agora sem o uso do esparadrapo ou da goma arábica. Sei que tens a intenção de deixa-los inteiros, sem os remendos, sem as cicatrizes, sem as marcas no tempo. Impossível?
Somente os meninos de sentimentos pueris conseguem superar suas próprias amarguras, para semear em solo árido a singeleza do afeto recíproco. Apenas os adultos que ainda guardam a criança em seu espírito, conseguem o milagre de despertar as belas adormecidas nas feras dos contos de fada, digo, da vida.
Menino, ainda é e ainda tens um brinquedo quebrado que resiste e que pretendes preservá-lo, recompondo-o e protegendo-o como uma relíquia dos céus.
Vejo que continuas a investir na tua franzinês e ainda gostas de desafios, só que não mais existem os moleques do teu tempo. Os adversários são teus sentimentos, teus conceitos, tuas convicções, tuas dúvidas e andam escondidos no lúgubre silêncio do pecado ou na incompreensão da complexa relação de amor.
Vejo que ainda cultivas a vitalidade do guerreiro que cumpre um destino de conquistas.

Não te quero distante
Tão pouco muito perto
Quero-te presente
Como sempre estiveste
Em meu coração…

1.Cachelo: Arraia de menino pobre, feita com taliscas de coqueiro enfiadas em papel de jornal, caderno ou embrulho, sem uso de cola.
2.Gongolo: Expressão utilizada para definir um tipo de competição entre empinadores de arraias quando estas terminam propositalmente emaranhadas, emboladas, embaraçadas uma com a outra.
3. Mocó: Expressão utilizada pela meninada, para definis o local onde perdiam a arraias por ficarem enganchadas nos fios de energia elétrica, árvores, coqueiros.
4.Modelos de arraias, feitas por profissionais, cujo retângulos é dividido em duas bandas verticais ou horizontais, simétricas, em papel de seda de diferentes cores;

Jair Araújo – escritor
Membro Correspondente da ALACIB – Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil, Mariana – MG; Membro efetivo da SPBA – Sociedade Brasileira de Poetas Aldravianistas e do ICINBRA – Instituto de Culturas Internacionais do Brasil. @jairsaraujo48; jairsaraujo48@gmail.com

34 thoughts on “Carta ao coração

  • 2 de agosto, 2022 em 1:58 pm
    Permalink

    Que texto bonito, meu amigo. Tão particular, tão menino, tão saudoso. Parabéns.

    Resposta
    • 2 de agosto, 2022 em 5:02 pm
      Permalink

      Ler as crônicas do Escritor e Poeta Jair Araújo, é sem dúvida um refrigério para a alma nestes conturbados dias. É poder acreditar na alegria, na amorosidade, na fé, no ser humano que somos capazes de vivenciar o “Amar ao próximo como a si mesmo”. Esperamos mais publicações deste fantástico autor.

      Resposta
      • 5 de agosto, 2022 em 8:29 am
        Permalink

        Bom dia! Excelente texto! cheio de verdades e saudades, onde lembranças são trazidas a tona, relembrando momentos únicos, que não voltam, mas reside pra sempre no íntimo. Gratidão!

        Resposta
    • 2 de agosto, 2022 em 7:14 pm
      Permalink

      Texto muito bonito, prezado amigo Jair.
      Faz muito tempo que não nos encontramos.
      Parabéns, grande abraço.

      Resposta
      • 3 de agosto, 2022 em 11:53 am
        Permalink

        Obrigado por seu comentário querido amigo Yusef. Fico feliz que tenha gostado.

        Resposta
        • 3 de agosto, 2022 em 12:40 pm
          Permalink

          Prezado e nobre amigo escritor, Ricardo Ferreira.; O seu comentário soa como uma poética homenagem. Sinto-me imensamente lisonjeado e agradecido, (embora não tão merecedor), por suas belas e motivadoras palavras, ainda mais considerando ditas por um escritor que prima pela lusofonia e com tantas obras publicadas. Honrado e agradecido, amigo.

          Resposta
      • 3 de agosto, 2022 em 12:00 pm
        Permalink

        Querido amigo Aloísio Reis; Primeiro é bom saber que você está bem e tê-lo aqui neste comentário me enche de alegria. Obrigado, pelo tempo em que partilhamos desafios, aprendizados, erros e acertos, mas sempre preservando os bons princípios e valores. Abraço fraterno!

        Resposta
        • 3 de agosto, 2022 em 12:13 pm
          Permalink

          Cara Solange; Agradecido e feliz pelo seu elogioso comentário. Como é gratificante tê-lo, principalmente, quando recebido de pessoa do seu quilate. Gratidão!

          Resposta
    • 3 de agosto, 2022 em 1:09 pm
      Permalink

      Cara Desirée; Há muito, te conheço de nome e bons comentários. As suas palavras motivadoras me fizeram um bem enorme, principalmente, porque confirma a criança que ainda insiste em residir no menino grande que você bem conhece. Gratidão!

      Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 3:19 pm
    Permalink

    Lindo texto
    Minha mãe, com certeza, teria gostado muito.

    Resposta
    • 3 de agosto, 2022 em 12:06 pm
      Permalink

      Lara, muito agradecido por seu comentário. Sua mãe é inesquecível. Pois, tive a felicidade de ter trabalhado ao lado dela durante tantos anos, desfrutando do seu bom humor, alegria e positividade.
      Abraço!

      Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 4:07 pm
    Permalink

    Que lindas palavras! Ler este comentário de um escritor de quem admiro e respeito engrandece a alma deste aprendiz. Gratidão, nobre Comendador!

    Resposta
    • 2 de agosto, 2022 em 7:29 pm
      Permalink

      Parabéns excelente escrita. Araújo foi descrito com fidelidade. Lindo o sentimento que os une.

      Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 5:03 pm
    Permalink

    Ler as crônicas do Escritor e Poeta Jair Araújo, é sem dúvida um refrigério para a alma nestes conturbados dias. É poder acreditar na alegria, na amorosidade, na fé, no ser humano que somos capazes de vivenciar o “Amar ao próximo como a si mesmo”. Esperamos mais publicações deste fantástico autor.

    Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 5:12 pm
    Permalink

    Parabéns… Sua simplicidade nas lembranças propõem amizade e lealdade. Sua busca e seu achado iluminam e desabrocham na vontade de também “ir” e encontrar semelhanças históricas da vida de todos nós. Parabéns pela Luz e encontros.

    Resposta
    • 3 de agosto, 2022 em 12:24 pm
      Permalink

      Caro Avena; Lindas são as suas palavras; poéticas, inspiradoras, iluminadas, motivadoras. Muito agradecido e feliz por seu comentário. GRATIDÃO!

      Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 5:16 pm
    Permalink

    Uma história que envolve e encanta, sendo que esse menino, continua sendo um “menino”, inquieto, traquina e amoroso.
    Parabéns Jair pela sua escrita sempre sensível e com alma.

    Resposta
    • 2 de agosto, 2022 em 7:20 pm
      Permalink

      Texto muito bonito, prezado amigo Jair.
      Faz muito tempo que não nos encontramos.
      Parabéns, grande abraço.

      Resposta
    • 2 de agosto, 2022 em 11:04 pm
      Permalink

      Como não identificar esse personagem querido que sempre se destacou pelo humor sarcástico mas sempre conciliador e solidário.
      Não sei da sua infância mas usufruí bastante de sua meninice.
      Ninguém melhor do que você Jair, para exalta-lo merecidamente.

      Um beijo no ❤️

      Resposta
      • 3 de agosto, 2022 em 12:57 pm
        Permalink

        Inesquecível amigo de longo e velhos tempos, querido Jura, para os íntimos; Lindo, muito lindo e cheio de sentimento o seu comentário. Fico feliz por ter despertado em você as nossas lembranças juvenis. Bons tempos vivemos! Gratidão amigo, por suas palavras, por termos tido a oportunidade de tão bela, saudável e harmoniosa convivência que a vida nos propiciou. Abraço afetuoso e fraterno!

        Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 5:26 pm
    Permalink

    Ler as crônicas do Escritor e Poeta Jair Araújo, é sem dúvida um refrigério para a alma nestes conturbados dias. É poder acreditar na alegria, na amorosidade, na fé, no ser humano que somos capazes de vivenciar o “Amar ao próximo como a si mesmo”. Esperamos mais publicações deste fantástico autor.

    Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 5:27 pm
    Permalink

    O procurar e encontrar a infância neste texto tão puro e verdadeiro de Jair Araújo, leva-nos a vivenciar os sonhos belos da nossa meninice, com inocência e traquinice. As palavras nascem tão naturalmente para o autor, como de um simples respirar se tratasse. E é aqui no respirar lingüístico, em homenagem ao seu amado irmão o irrequieto José Araújo, que o poeta Jair escreveu um dos seus mais textos! A pureza da alma grandiosa, reflete-se nas palavras amorosas e intrínsecas…
    Como escreveu “Goethe” (…) só é fecundo o que é verdadeiro (…).
    Eu acrescento se tal me é permitido:.
    “Quem ama não esquece, respeita”.
    Divina homenagem.

    Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 5:30 pm
    Permalink

    (Retificando):
    (…) o poeta Jair escreveu um dos seus mais belos textos (…)

    Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 7:41 pm
    Permalink

    Jair, não te conheço pessoalmente, mas esse “menino” que vc descreve nesse texto tão saudoso e tão cheio de lembranças, acho que não mudou muito, não! 😉
    Amei o texto…carregado de emoção! Parabéns!
    👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽

    Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 7:43 pm
    Permalink

    Ler as crônicas do Escritor e Poeta Jair Araújo, é sem dúvida um refrigério para a alma nestes conturbados dias. É poder acreditar na alegria, na amorosidade, na fé, no ser humano que somos capazes de vivenciar o “Amar ao próximo como a si mesmo”. Esperamos mais publicações deste fantástico autor.
    Yusef Rabinovit é uma estória juvenil. Eu sou José Araújo, irmão desde radioso ser que é Jair Araújo

    Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 7:58 pm
    Permalink

    Que maravilha nobre Poeta ! Reportei-me a infância… Onde precisei nos mínimos detalhes as brincadeiras de criança ! Lindo de se ler, sentimentos da alma !

    Resposta
    • 3 de agosto, 2022 em 1:15 pm
      Permalink

      Querida poetisa; Tânia Castro; Muito agradecido por seu sentimento manifestado neste elogioso comentário.
      Abraço afetuoso e fraterno!

      Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 8:56 pm
    Permalink

    Querida Ana Freitas; muito obrigado por seu comentário. É maravilhoso quando uma pessoa que conhece a nossa história a ratifica. Pois, nem tudo é ficção e vez por outra a realidade a supera. Sei que ele ainda carrega muito daquele menino traquinas. Você que cumpra e bem este papel de mãe e mulher educadora. Tem crianças duras de aprender a ser gente grande e que, vez por outra precisam de serem colocadas de castigo. Kkkkkkkkkk!
    Bjs e gratidão.

    Resposta
    • 3 de agosto, 2022 em 12:12 am
      Permalink

      Quanta sensibilidade neste lindo relato da infância, ah, a infância !!! José Araujo é um grande amigo, este irretocável texto fica ainda mais incrível por ser dedicado ao bom e velho Araújo, que conhecido e querido em toda ilha de Itaparica !!!

      Resposta
    • 3 de agosto, 2022 em 12:03 pm
      Permalink

      Como boa mãe e educadora, impor limites ainda é a melhor solução.
      O que pode mudar é a maneira como esses limites são impostos 😃😀

      Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 9:15 pm
    Permalink

    Que maravilha nobre Poeta ! Reportei-me a infância… Onde precisei nos mínimos detalhes as brincadeiras de criança ! Lindo de se ler, sentimentos d’alma !

    Resposta
  • 2 de agosto, 2022 em 9:38 pm
    Permalink

    Caro Jair
    Não atoa Deus concede a alguns poucos o poder drcontrolar o pensamento e as palavras que os representado. Emocionante a destreza com que flui sua narrativa. Lembrei-me dos meus anos 50 e 60 onde com meu unico irmão? Fazíamos coisas parecidas. Eu o caçula igualmente franzino mas, ousado. Parabéns
    Deus o abençoe por trazer-me tb essas minhas memórias.
    Eh para mim um privilégio conviver com seu idolatrado irmão Zé Araújo. Não tive s honra dr empinar arraias juntos mas, muitas vezes empinávamos pensamentos criativos, analíticos nos nossos inestimáveis encontros no nosso Ptinvipafo de Itaparica.

    Resposta
    • 3 de agosto, 2022 em 3:24 pm
      Permalink

      Caro Elmar Pimentel: Obrigado por ser generoso e precioso comentário. Fico feliz do texto poder te remetido às suas boas memórias dos idos anos 50 e 60. Me fez um bem danado e senti-me feliz por esta sua revelação. Bom também saber que você é amigo e gosta deste personagem ímpar e que juntos ainda empinam as arraias dos bons pensamentos, críticos, analíticos e criativos.
      Abraço forte e fraterno!

      Resposta
  • 3 de agosto, 2022 em 3:14 pm
    Permalink

    Caro Pedro; A sensibilidade de quem escreve somente se manifesta quando a sensibilidade do leitor é maior ou, pelo menos, igual ao de quem o escreveu. Melhor ainda, quando alguém como você, tão bem, conhece o personagem do texto. Araújo já era para ter tecebido o título de cidadão itaparicano em função do amor que tem e do bem que fez e continua a fazer há muitos anos, por esta encantada Ilha.
    Bom que você teve a breve oportunidade de ao ler, ter também lhe remetido às suas memórias.
    Gratidão e um.fraterno abraço!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.